Bancada para serrar

Dimensionar as peças é o começo da realização do projeto

61 comentários

12 de Dezembro de 2015

Apesar de ser uma etapa de execução trivial, cortar as peças necessárias para um projeto é um esforço por muitas vezes bem considerável. Não é difícil ficar com o corpo dolorido após uma sessão de cortes. Quando ainda se tem um dia de trabalho pela frente, minar o corpo logo na primeira fase de execução do projeto não é lá uma idéia muito boa. A repetição prolongada de cortes diversos ou um único corte ao longo do veio de uma peça comprida e espessa são duas boas justificativas para a existência de uma bancada dedicada para esta tarefa.

Acredito que o mais importante no projeto de uma bancada para serrar é o conforto para o usuário. Se a bancada é construída com junções precisas ou no estilo “rústico”, é um mero detalhe. Se a bancada proporciona ao serrador uma postura devida e de quebra uma ajuda em prender as peças, está feito: objetivo cumprido!

O autor do projeto da minha bancada é o Tom Fidgen. Segui o plano que está presente no segundo livro dele (“The Unplugged Woodshop”) com algumas ressalvas: optei por um tampo mais espesso, pois era o que tinha em mãos e não vi muito sentido em necessariamente desengrossar, e, deixei de lado as cavilhas que reforçam as junções, pois sinceramente achei que a junção em meia madeira (half lap) já deu conta do recado por si só.

Segue abaixo alguns registros que eu fiz da parte da junção referente as pernas e suas respectivas travessas:

Teste da junção da travessa com as pernas antes do corte do macho:

Machos cortados, é hora de testar e avaliar os encaixes. Nesta fase eu me preocupei também em deixar a travessa no mesmo nível das pernas, tirando o excesso com uma plaina:

Os cantos frontais do tampo foram modelados com uma grosa. O acabamento ficou melhor do que o esperado e acabei não fazendo mais nenhum passo posterior, como usar uma boxequim (spokeshave) ou uma lixa fina. Um macete aqui para se obter este acabamento com a grossa e usá-la nas últimas passadas com muita pouca pressão, isso faz muita diferença:

Bancada montada antes da instalação do batente e dos furos para os barriletes (holdfasts). A bancada ficou bem robusta e com um bom peso. A robustez eu atribuo ao projeto, e o peso, a madeira utilizada: Peroba Mica.

Antes de prosseguir com a construção eu fiz um teste de um corte ao longo do veio em uma peça de Peroba de Mica de ~2m de comprimento e 4cm de espessura. Não me recordo ao certo se havia no livro uma ressalva sobre a altura ideal da bancada, o que sei é que mais tarde eu vim a receber uma informação, do próprio Tom inclusive, que idealmente a bancada deveria estar um pouco abaixo do seu joelho considerando-se já a altura da peça a ser cortada. Aqui no caso obviamente se adota a espessura de uma peça que o usuário costuma cortar com regularidade. Eu por exemplo costumo realizar muitos cortes entre 2 e 4cm. Deste modo eu vou somar 4cm a altura da bancada até o tampo. De todo o modo a bancada ficou bem confortável a ponto de eu não ter qualquer incômodo ao realizar cortes seguidos.

O próximo passo foi fazer quatro furos de 3/4" para utilização de barriletes, que prendem e soltam uma peça de forma rápida. Para prender basta uma ou duas marteladas no topo e para soltar uma martelada na lateral próxima ao topo. Os furos foram feitos com uma broca forstner. Apesar de não ser uma broca rápida, a qualidade do furo tanto na entrada quanto na saída ficou ótima, vejam só:

O que não gostei foi a posição que escolhi para os furos dos barriletes. Poderiam ter sido feitos mais próximos ao meio do tampo, por muitas vezes eu não consigo utilizá-los e tenho que recorrer a um grampo do tipo "F". Talvez não seja uma questão de reposicionar mas sim de haver mais furos disponíveis. Na foto da direita, um teste do uso dos barriletes para prender uma peça de Freijó de 6cm.

Por último a construção e instalação do batente removível para auxiliar nos cortes transversais. Escolhi o Jequitibá para dar um constraste. Usei a própria bancada e inclusive um barrilete para prender a peça bruta que deu origem ao batente. Notem o uso do corte no meio do tampo para apoiar a peça que tem pouca largura. Este corte do tampo é uma grande sacada do projeto na minha opinião. Inclusive, eu o utilizo com regularidade.

Trabalhar a madeira com ferramentas manuais demanda um investimento razoável de tempo em serrar, então acredio que temos o dever de olhar com atenção como serramos e tornar a atividade a mais agradável e eficiente quanto possível.

Tom Fidgen The Unplugged Woodshop (Tradução livre por Cosme)

O batente é removível e afixado através de cavilhas, que foram coladas no próprio. Um desafio na instalação é fazer os furos do tampo alinhados com as cavilhas instaladas no batente. A solução foi utilizar centralizadores de cavilhas: o que poderia ser um martírio se transformou em uma etapa trivial. Por motivos estéticos e para evitar machucar a mão eu arrendodei os cantos do batente com uma grosa.

Link para a minha bancada no blog do Tom Fidgen.

Se alguém tiver alguma experiência, opinião ou plano a compartilhar sobre bancadas ou qualquer outro tipo de apoio que auxiliem em cortes brutos, a seção de comentários está aberta ;)

Comentários

  • Milton Martins

    11 de Dezembro de 2015, 19h12m

    Rapaz, já havia visto tudo isso, volto a ver e a me encantar. Engraçado, hoje pela manhã, numa caçambada, precisei serrar uma chapa de 25mm de compensado que estava inteira e não cabia na minha camionete. Levei meu serrotinho Irwin de 20" e não deu nem graça. Só que na hora de posicionar a chapa lembrei-me de você e de sua bancada.
    Abração

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 00h32m

    Pois é rapaz, foi agradável revirar as fotografias da bancada para serrar para montar esta postagem, foi bom rever os detalhes deste trabalho.

    Você sabe que falando em lembrança me veio a mente o pergolado que você fez? Lembro que tinha chegado a pouco no GDM e foi algo que me marcou um bocado, eu achei aquele trabalho demais. Seria uma benção o destino poder me dar a chance de eu realizar alguma carpintaria deste nível em minha futura casa. Eu até acabei revendo esta postagem agora. (19 Março de 2014)

    É sempre bom ter um serrotinho por perto né? :)

    Lembrei de outra:
    Da penúltima vez que estive na minha madeireira, acabou a luz justamente na hora do pessoal fazer os cortes transversais nas minhas peças. Rapidamente perguntei: - Tem um serrote ai!? O meu fiel atendente do pedaço responde: - Tem sim, mas vou logo dizendo que de serrote não sou bom não! Cosme responde: - Manda o serrote que a gente resolve! (Não resolvi foi é nada: o serrote estava sem nenhuma afiação)

    Abraço!

    Milton Martins

    12 de Dezembro de 2015, 09h44m

    Cosme,
    Me sinto lisonjeado em ter um trabalho meu lembrado por você
    O pergolado foi algo muito simples, sem nenhuma exigência. Cometi muitos erros por falta de habilidade e pressa na execução
    Mais fiquei gratificado por ter feito e mais ainda hoje por ser lembrado
    Esse é o melhor dos pagamentos
    Obrigado
    Abraço

  • Rogerio

    11 de Dezembro de 2015, 19h40m

    Cosme, um espetáculo. Parabéns.

    Rogerio

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 00h33m

    Obrigado pela visita Rogerio!
    Seja-bem vindo.

    Abraço!

  • sergiomontanha

    11 de Dezembro de 2015, 19h59m

    Espetacular Cosme! O seu "cantinho virtual" ficou show. Vou ficar no aguardo da atualizações e espero que coloques os seus outros trabalhos já executados, que são de uma riqueza sem tamanho. Já estou inscrito aguardando as atualizações.

    Um grande abraço,
    Sérgio.

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 00h33m

    Dá-lhe sergio, beleza, porém neste caso percebo que você não cadastrou o teu email no link que está lá no topo do site em "atualizações por email". Eu vou tentar te notificar sobre isso via MP. Talvez isso tenha ficado confuso, mas a idéia é separar o email e pedido de notificação de novos comentários da notificação de novas postagens. Entendo que nem todos os usuários estão interessados em serem notificados sobre novas postagens, porém podem estar interessados em fazer uma pergunta por exemplo em uma determinada postagem, e, serem notificados quando houver alguma resposta.

    Eu lhe agradeço pela visita, sinta-se à vontade por aqui ;)
    Abraço!

  • Andrade Mendes

    11 de Dezembro de 2015, 20h31m

    Parabéns Cosme !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Não é um cantinho, é um paraíso para se esquecer de tudo.
    Abração

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 00h33m

    Fico contente em saber que o espaço contribui para o bem estar :D
    Um abraço!

  • Francisco Guido

    11 de Dezembro de 2015, 22h25m

    Falar sobre a qualidade das fotos e dos trabalhos do Cosme é chover no molhado, mas não me canso de ver essas fotos, parabens amigao

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 00h33m

    Dá-lhe Guido! Você acaba de me lembrar que graças as visitas que recebi nesta inauguração, eu pude corrigir alguns bugs. Dentre os quais está a falta de um cursor de ponteiro quando o mouse é posicionado sobre uma fotografia. Ao clicar em uma foto, a mesma se abre em tamanho grande.

    Valeu pela visita meu camarada, forte abraço!

  • Roger

    11 de Dezembro de 2015, 23h55m

    Cosme, parabéns! que bom que conseguiu lançar o site.

    um grande abraço!

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 00h33m

    Obrigado Roger!
    Hoje eu me lembrei de você porque me recordei do seu incentivo para que eu colocasse no ar um blog. Eu te agradeço pelo apoio.
    Forte abraço!

  • Mauro

    12 de Dezembro de 2015, 01h41m

    Cosme, parabéns pelo site!
    E parabéns também pelo trabalho, primoroso. Quem sabe um dia não chego a ter esta habilidade, por enquanto vou apanhando das minhas ferramentas elétricas... rsrs
    Abraço

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 11h02m

    Obrigado Mauro pela visita e pelo elogio!
    Um abraço

  • Marcos Leitão

    12 de Dezembro de 2015, 02h19m

    Trabalhar desplugado não é para qualquer um. Não estamos mais falando de marcenaria pura e simplesmente, e sim de "arte em madeira". Cortar com precisão, aplainar a madeira de forma a deixá-la aparelhada, não é tarefa fácil, mesmo possuindo maquinário para este fim. Imagina tudo isso feito com ferramentas manuais e muito angú para ter energia nesta empreitada. Nisso o Ricardo é mestre.
    Paciência acima de tudo e um compromisso inigualável com o resultado.
    Sem falar na trabalhosa tarefa de afiação das ferramentas, que sem isso, nada é possível. A afiação, por sí só, é uma arte aparte da marcenaria. Outro ponto para o Cosme.
    Aí falamos em seu potencial jornalístico para narrar as aventuras e seu talento indiscutível como fotógrafo e iluminador. Juntando tudo, temos alguém que nos inspira e nos provê de belíssimas obras de arte.
    Parabéns por este seu novo espaço e somos nós que agradecemos sua generosidade em mostrar estas maravilhosas peças de marcenaria.
    Grande abraço de seunamigo de Niterói.

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 11h03m

    Pô... Não vamos elitizar a marcenaria desplugada :)
    Se me permite uma observação e analogia: percebo que uma atividade muito manual é como uma curva exponencial quando se pensa em eficiência versus prática. O que quero dizer é que no começo, quando não se tem muita prática, fazemos um esforço grande para termos um determinado resultado, porém, a medida que adquirimos prática (e conhecimento) o mesmo resultado é obtido com menos esforço (maior eficiência). O começo tende a ser difícil, mas com uma certa dose de perseverança, o que muitas vezes parecia difícil acaba se tornando algo que flui.

    Agradeço pela ilustre visita ao espaço, Leitão.
    Recebo os elogios com muita empolgação, inclusive.

    Aprendi, continuo aprendendo, e, continuarei a aprender com o compartilhamento de conhecimentos de marceneiros nacionais e internacionais: o que me resta é no mínimo retribuir e contribuir espalhando o pouco que sei.

    Abração!

    Marcos Leitão

    12 de Dezembro de 2015, 19h23m

    Cosme, a marcenaria desplugada já foi elitizada por si só. Num mundo dominado por MDF, MDP e afins e com prazos sempre menores de entrega, as ferramentas eletricas estão no topo da cadeia alimentar....kkkkkkk
    Hoje marcenaria manual é para poucos entusiastas, e também pelo valor do investimento, que não é baixo.
    Temos a sorte de conviver em uma comunidade de marcenaria onde estes poucos costumam se encontrar.
    Admiro seu trabalho e a forma como executa. Parabéns novamente!

    cosme

    13 de Dezembro de 2015, 08h13m

    Bom dia, vai um café ai? :)

    Você tem razão e ainda por cima coloca a questão um pouco antes: a madeira em si está elitizada. Com relação a marcenaria desplugada vejo dois pontos. O primeiro é que naturalmente não temos a mesma demanda que havia há 60 anos, de modo que naturalmente o preço de uma ferramenta hoje tem a tendência de ser mais elevado. Segundo que para nós brasileiros, não é tão trivial assim importar uma boa ferramenta usada para restauração. Frete elevado e alta taxa de importação. Fora o conhecimento e tempo necessários para se mergulhar na restauração.

    Abração

  • Francisco

    12 de Dezembro de 2015, 08h11m

    Parabens pela qualidade das fotos e informações , com certeza me serão muito úteis.
    Abrç

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 11h03m

    Franciso, fico contente que as fotografias e informações lhe sejam úteis.
    Obrigado pela visita e um abraço!

  • Marcelo Amorim

    12 de Dezembro de 2015, 08h53m

    Parabéns Cosme pelo seu novo projeto de divulgação , pela nova casa a cuidar...
    Se seguir a qualidade de seus lindos trabalhos , o sucesso é garantido !!!
    As fotos estão em um tamanho muito adequado e na perfeição de seu costume ...
    Sucesso cara ... :D

    cosme

    12 de Dezembro de 2015, 11h03m

    É verdade Amorim, um espaço para ser cuidado, ainda mais com toda este prestígio caloroso dos colegas.
    Obrigado pelo retorno com relação as fotos e valeu pela visita, abraço!

  • cosme

    12 de Dezembro de 2015, 11h10m

    Pessoal, acho que o mecanismo de notificação de novos comentários, que é uma caixa selecionável que fica próxima ao botão 'Publicar' gerou uma certa expectativa falsa: percebo através de dois relatos que alguns usuários entenderam que haviam se registrado para receber novas postagem no site porém na verdade só se registraram para receber notificações de novos comentários na postagem em que comentaram.

    No intuito de simplificar e mesmo assim manter o direito de quem não quer ser notificado de novas postagens, porém que ser notificado de novos comentários, eu adotei uma pergunta após o envio de um comentário que somente é feita uma única vez para o email utilizado no comentário realizado: Deseja ser notificado sobre novas postagens?

    Além disto, esclareço que a inscrição pode ser realizada também através do menu superior do site em "atualizações por email".

    []s

  • SandroZC

    12 de Dezembro de 2015, 19h55m

    Passando aqui para agradecer sua boa-vontade em nos ensinar o que sabe.
    Parabens pelo site. Já está Favoritado.

    cosme

    13 de Dezembro de 2015, 08h14m

    Grato pela visita Sandro, fique à vontade por aqui e seja bem-vindo.
    Um abraço

  • Sergio Luis Nehring

    13 de Dezembro de 2015, 13h30m

    Cosme meu camarada, passando aqui para te parabenizar e te desejar tudo de bom.

    Bração.

    cosme

    13 de Dezembro de 2015, 20h34m

    Obrigado Sergio, um abraço!

  • Narciso

    14 de Dezembro de 2015, 16h06m

    Boa tarde Cosme,

    Realmente o trabalho com madeira é uma arte, que como o nosso amigo Marcos Leitão muito bem comentou "É para poucos", principalmente a desplugada. Acredito que sabes que também admiro muito este tipo de trabalho, e tento na minha debilidade construir e/ou reconstruir um pouco daquilo que proponho, inclusive as minhas ferramentas (quando é possível).

    Quanto a seus trabalhos, sem sombra de dúvida, é um excelente local para publicá-los e desde já conte com as minhas visitas. Afinal de contas é sempre bom ver a nobre arte sendo bem executada.

    Abraços e Sucesso,

    Narciso
    (Ferrolho - GDM)

    cosme

    14 de Dezembro de 2015, 17h12m

    Obrigado por prestigiar o espaço, Narciso.
    Eu acho importante a dedicação na construção de ferramentas para o próprio uso. Além do aprendizado e dos benefícios oferecidos pela customização, é uma prática que cai muito bem na nossa terra, pois obter as ferramentas não é fácil.

    Lembro-me, por exemplo, que foi um prazer construir o arco de serra ao invés de comprar um pronto. Tive a oportunidade de personalizar, escolher as espécies de madeira, aprendi um monte, e ainda por cima economizei muito, pois o meu custo ficou em 1/3 o valor do arco pronto.

    Fique à vontade por aqui e um abraço!
    Cosme

  • Vinicius Rocco

    15 de Dezembro de 2015, 14h15m

    Cosme, meu camarada. este cantinho está maravlhoso, muito bem elaborado, como todo o trabalho que você executa que é de primeira.
    Parabéns pelo sucesso e continue assim.
    Abraço

    cosme

    15 de Dezembro de 2015, 21h13m

    Maravilha Vinicius, fico contente que você tenha gostado, fique à vontade por aqui.
    Obrigado e um abraço

  • Nivaldo Guerreiro

    15 de Dezembro de 2015, 14h23m

    Cosme.
    Parabéns pelo espaço.

    Muito bonito e bem feito, exatamente como todos os teus trabalhos com madeira.
    Preciso melhorar muito minha ansiedade, quem sabe um dia consiga fazer trabalhos com 10% de qualidade dos teus.
    Saúde e muito sucesso...

    Abraço

    cosme

    15 de Dezembro de 2015, 21h13m

    Bacana o retorno Nivaldo, obrigado.
    O design do site também foi feito por mim, mas como não tenho formação alguma na área e conhecimentos escassos, fiquei com um certo receio de não dar certo, mas pelo visto, com base no retorno dos colegas, parece que ao menos está dando conta do recado.

    Com certeza passa muito além dos 10%, se não passar dos 100%: de fato paciência e controle da ansiedade ajudam bastante no resultado final.

    Um abraço

  • Gilson Ricardo

    15 de Dezembro de 2015, 14h32m

    Olá Cosme, cara eu concordo com todos que comentaram ai... olhar estas fotos não cansa, pelo contrário é relaxante, e gratificante ver a qualidade do seu trabalho.
    Vou me cadastrar para ser notificado quando tiver atualização.
    Abraço e parabéns pelo espaço virtual.
    Gilson

    cosme

    15 de Dezembro de 2015, 21h14m

    Opa Gilson, obrigado pelo prestígio.
    Com relação as fotos: que bom então, isso me ajuda que as postagens de trabalhos que já compartilhei no GDM e no Madeira sejam digeridas com mais facilidade por vocês, não ficando chato de rever novamente :)

    Beleza, vi a sua inscrição, obrigado!
    Abraço

  • Alairton (Mixirica)

    15 de Dezembro de 2015, 15h06m

    Dei uma olhada de leve, sem elogios muito bom.

    cosme

    15 de Dezembro de 2015, 21h14m

    Beleza Alairton, obrigado pela visita e volte sempre.
    Abraço

  • alvimar

    15 de Dezembro de 2015, 22h49m

    Oi Cosme; Tudo bem?Parabéns pelo espaço e pelos trabalhos.
    Trabalha muito bem, se expressa bem, muito bom.
    Que madeira é essa do banco de serrar?
    Uma critica...zinha: não dava pra fazer sem os parafusos?
    No bom sentido.
    Abraços.Alvimar

    cosme

    16 de Dezembro de 2015, 08h50m

    Bom dia Alvimar, seja bem-vindo e obrigado pelo retorno.

    A bancadinha é toda em Peroba Mica, exceto o batente removível que é de Jequitibá.

    Com certeza os parafusos são dispensáveis. Eu particularmente, provavelmente colaria as travessas e colocaria cavilhas nos lugares dos parafusos. Por que não fiz isso? Penso que por dois motivos:
    1) Fui seguindo o projeto do Tom sem muitos questionamentos. No projeto ele usa os parafusos. Tanto é que o que mudei foi a espessura do tampo por conveniência, e, a ausência de cavilhas nas junções para agilizar a construção;
    2) De certa forma os parafusos agilizaram um pouco mais o término da bancada, pois eu não tinha cavilhas prontas, teria portanto que parar e fazer cavilhas.

    Um abraço!

  • luismend

    15 de Dezembro de 2015, 22h55m

    Prezado Cosme,
    Seu cuidado com a adequação do site reflete perfeitamente seu zelo com a madeira.
    Parabéns pelo site, e sobretudo pela generosidade de compartilhar!
    Abraço
    Luismend

    cosme

    16 de Dezembro de 2015, 08h51m

    Obrigado pelo retorno Luis, fico contente em saber que o site lhe agrada.
    Abraço!

  • Matsu

    16 de Dezembro de 2015, 09h56m

    Cosme, meus parabens, adoro os trabalhos do tom, pena ele nao estar postando muita coisa, mas o seu trabalho esta de primeira mesmo....
    Grande abraço.
    Matsu

    cosme

    16 de Dezembro de 2015, 11h09m

    Obrigado Matsu, seja bem-vindo por aqui.

    O Tom está em um período bem intenso da vida dele. Ele está literalmente construindo a sua escola física de marcenaria desplugada. Até mesmo as postagens exclusivas para os membros do unpluggedlife estão um tanto magras. Continua músico, pai, tocando a plataforma virtual, e ainda por cima abrindo um espaço que vai além de simplesmente dar aulas, ou seja, ele está um pouquinho enrolado :)

    Abraço!

  • zzeff

    16 de Dezembro de 2015, 10h11m

    Estimado Cosme,
    Belíssimo trabalho e fotografias com rara qualidade. Obrigado por compartilhar.
    Abraços
    zzeff

    cosme

    16 de Dezembro de 2015, 11h09m

    Obrigado pelo retorno e fique à vontade por aqui, por favor.
    Abraço!

  • Rubens Lima

    17 de Dezembro de 2015, 12h02m

    Parabéns Cosme, você faz excelentes trabalhos, e um site pra isso deixa tudo mais profissional, você até me inspirou com sua cuba em reformar o banheiro de casa. A preciosidade nos trabalhos é excelente. Particularmente não sei se conseguiria exercer o hobby desplugado, acompanho também os trabalhos do Tom.

    Abraço.

    cosme

    17 de Dezembro de 2015, 14h47m

    Obrigado Rubens, fique à vontade por aqui.

    Que bacana hein, fico com um sorriso no rosto ao saber sobre a contribuição da cuba ;)
    Quando possível escreverei uma postagem dedicada a este trabalho.
    Falando nisso estou fazendo mais algumas unidades, para ser mais exato a madeira preparada esta descansando.

    Com relação a marcenaria desplugada, só experimentando para saber. Há vantagens e desvantagens, quando a lista de vantagens te agrada mais, a coisa se torna uma realidade. Legal, o Tom é uma inspiração e um bom professor :)

    Abração

  • jose davi

    18 de Dezembro de 2015, 11h06m

    e muito prazeroso ver seus trabalho que são belissimo

    cosme

    19 de Dezembro de 2015, 15h27m

    Fico contente com o retorno jose, obrigado!
    Seja bem-vindo e fique à vontade, por favor.
    Um abraço

  • Adenilson Salmo

    18 de Dezembro de 2015, 12h03m

    Cosme, sei que todas ja disseram o mesmo, mas nao posso deixar de registrar meu contentamento, alegria e prazer ao ver um site/blog com esta qualidade de trabalhos em madeira.

    Parabens, é realmente uma alegria ao coração e um prazer aos olhos ver seus trabalhos.. me inspira, me desafia e causa em mim o desejo de melhorar a qualidade do meu trabalho!!

    Mais uma vez, parabens e sucesso!

    cosme

    19 de Dezembro de 2015, 15h27m

    Não há de minha parte cansaço em receber mais retornos com elogios, sugestões ou críticas, pelo contrário: é um grande estímulo. Fico contente e extremamente estimulado com o seu comentário Adenilson, obrigado!

    A coisa melhor do que haver uma corrente em que um motiva o outro? Talvez. Mas de certo é uma situação saudável e preciosa; eu não tenho dúvidas. Acho que não há retorno melhor para a criação deste espaço do que saber que o conteúdo aqui presente pode inspirar, provocar, sugerir, ...

    Bem-vindo e sinta-se bem à vontade.
    Abraço!

  • Andrei Vinicius da Slva

    10 de Janeiro de 2016, 11h07m

    Cosme,
    Há muito tempo sigo suas postagens no GDM, mas hj passei horas vendo este site.
    Quanta clareza nas explicações, que qualidade tem as fotografias !!! Que beleza e que precisão cirúrgica nos cortes !!
    Parabéns de verdade !!!

  • cosme

    10 de Janeiro de 2016, 13h56m

    Obrigado pela visita Andrei, fique à vontade por aqui.
    Um abraço!

  • Zitto Rossi

    21 de Mar?o de 2016, 00h40m

    Boa noite Mestre Cosme, gostei bastante das matérias que li aqui, e as fotos também são bem legais, e tudo em português, vou ler todas com calma. Parabéns pelo excelente trabalho.Eu também gosto de fazer ferramentas com madeira de qualidade, na maioria que encontro pelas ruas, as vezes ficam bonitas e nem tão boas, outras feias e funcionais e as vezes até acerto os dois pontos. É um verdadeiro "Laboratório Madeirístico". Tudo de Bom pra Ti!!!

    cosme

    24 de Mar?o de 2016, 20h39m

    Fique à vontade Zitto, bacana, construir as próprias ferramentas é muito gratificante e conveniente na solução de demandas específicas. Um abraço!

  • Giulliano Morais Pires

    26 de Mar?o de 2016, 00h45m

    Cosme, o primeiro trabalho seu que vi, foi seu post no GDM sobre a bancada que estava construindo e Unplugged!

    Fiquei muito curioso, admirado e encantado com sua opção por esse método "limpo" e sacrificante de resultado gratificante e magnífico.

    Admiro essa arte e sua narrativa bem didática.

    Parabéns e se me permita, vou fixar esses espaço em meus favoritos.

    Abraço.

    cosme

    27 de Mar?o de 2016, 14h31m

    Fique à vontade por aqui Giulliano. A bancada de trabalho marcou a transição da marcenaria híbrida para a puramente desplugada. Um projeto que ficou paralisado por motivos estratégicos. Espero poder retomá-lo assim que me mudar para o meu espaço próprio.

    Um abraço e obrigado pela visita!

  • Vitor Prado

    26 de Mar?o de 2016, 19h58m

    Boa noite, meu nobre Cosme.
    Sabe aquele momento em que você pensa que suas ideias estão sozinhas no mundo e de repente, bingo, algo lhe faz acreditar que não.

    Hoje estive refletindo sobre minha preferência pela marcenaria desplugada e listando os dilemas : falta de conteúdo nacional, falta de ferramentas e quando não, preços elevados(justificados pela demanda).
    Foi reenergizante encontrar seu blog pelo GDM.

    Sou hobbysta (pelo dia sou advogado) e ainda passo maior parte do tempo estudando pelos sites e vídeos.

    Tenho montado aos poucos minha caixa de ferramentas (adoraria poder lhe mostrar para ter sua opinião), acredito que em um ano, terei tempo, espaço, conhecimento e ferramentas necessárias para fazer os primeiros projetos básicos.

    Por fim, além de tantas dezenas de perguntas que eu teria, te deixo essa : Como resolveu a questão da meia esquadria? Usa aquelas manuais, caixas ou qual técnica?

    Meu querido, muito obrigado por todo seu esforço em manter este espaço.

    PS : onde fica seu ateliê?

    cosme

    27 de Mar?o de 2016, 14h58m

    Hehe, é bom demais saber que não estamos sozinhos em uma determinada empreitada.
    Fico contente em saber que o meu espaço virtual pode contribuir na sua motivação com a marcenaria desplugada.

    Sim, você colocou muito bem, o mercado não ajuda com relação aos preços. Com calma é possível contornar muitas escolhas, seja através de uma ferramenta antiga a ser restaurada, uma ferramenta construída pela próprias mãos ou até mesmo uma economia planejada para adquirir uma ferramenta premium que irá ultrapassar com facilidade a sua geração.

    Sei como é a preparação para o contexto ideal, porém se eu seguisse a risca uma plano parecido eu ainda estaria somente no mundo das ideias. Eu ainda não tenho um espaço próprio e tenho que viajar alguns bons quilômetros para fazer marcenaria. Uma coisa bacana que optei e que funcionou bem é adquirir as ferramentas conforme o projeto. Na verdade, para a coisa não ficar tão solta, escolhe-se um projeto inicial criticando a sua dificuldade de execução. Inclusive é bem interessante que tal projeto seja voltado para a oficina, porque é uma forma de evoluir o fluxo de trabalho. Essa abordagem naturalmente leva a um consumo mais consciente e minimalista das ferramentas, o que pode ajudar a direcionar os recursos para o que de fato será utilizado a curto e médio prazo.

    Outro ponto bem interessante da marcenaria desplugada, é a possibilidade de se trabalhar em um apartamento. Se houver um cômodo disponível, mesmo que pequeno, é totalmente viável executar diversos projetos. A marcenaria desplugada não necessita de um espaço tão grande.

    Eu não tenho caixa de meia esquadria. Em cortes na testa da peça eu procuro usar um 'miter shooting board'. Fora isso é no serrote. Às vezes fixo um batente como guia para a lâmina. Para obter precisão uso uma plaina pequena de baixo ângulo de ataque, ou seja, no final das contas não me importo muito com a precisão do corte em si quando efetuado em serrote.

    Com relação as perguntas, fique à vontade.

    Um abraço

  • Brunno Sena

    29 de Setembro de 2016, 14h54m

    Belo trabalho! Me inspirou a fazer uma.

    Abraços

Participe, deixe um comentário:

Nome
Email
Comentário