Plaina com fundo convexo: parte I

Trabalhos específicos com plainas de madeira

2 comentários

11 de Fevereiro de 2016

Chegou a hora de tirar proveito de uma grande vantagem em construir por conta própria plainas de madeira: modelar um corpo para uma demanda específica. A motivação para a construção da minha primeira plaina (parte I, parte II e parte II) era ter em mãos uma ferramenta para facilitar a modelagem de um fundo côncavo. Nada melhor, do que me ocorria na época, claro, do que uma lâmina estreita, uma sola convexa e um corpo de plaina de bancada. O arredondamento da sola é uma das últimas etapas. Com a minha primeira plaina pronta, funcionando e cintilante, confesso que fiquei com pena de tentar um procedimento tão... digamos que drástico, hehe. Afinal de contas a plaina havia conquistado um valor sentimental. A demanda continuou e sinceramente não estou nada empolgado em lidar novamente com horas de lixa no bloquinho e nem tão pouco ter a impossibilidade de dar uma passada final com uma plaina para tirar qualquer defeito da superfície final.

Desta vez separei um corpo em Jequitibá. Uma madeira muito mais densa do que o Freijó. Quero evitar a instalação de uma sola. Confesso que nem esperava tanto da densidade, mas ao aplainar as rampas fiquei surpreso. Parece-me um boa escolha. A ideia é experimentar um corpo mais longo. Acredito que vai facilitar a operação. Reusar a mesma lâmina da plaina anterior, com largura de 1 1/2".

Aparelhei o corpo antes de qualquer corte, fiz as marcações das rampas, usei o pequeno serrote de costas que tenho a disposição (acho que já está na hora de pensar em um serrote mais parrudo, hehe) e a minha block plane xing-ling para retificar as rampas. Ou seja, aquele procedimento padrão.

Para as laterais eu vou pinçar alguma folha de Cedro ou Freijó que foi fruto dos testes de desdobro com a Frame Saw.

Comentários

  • paulobro

    11 de Fevereiro de 2016, 21h31m

    Se entendi, ja que dizes vais reusar a mesma lamina, a ideia e' fazer uma plaina para uma concavidade cilindrica, e nao esferica?

    cosme

    11 de Fevereiro de 2016, 22h06m

    Hum, não sei se entendi o que seria cilíndrica e esférica neste contexto. O que vou fazer é arredondar somente no eixo longitudinal, portanto não haverá arredondamento em ambos os eixos: longitudinal e horizontal. Creio que a última situação seria o que você chama de esférica, hehe.

    Com o corpo estreito, a minha expectativa é fazer a concavidade horizontal no fundo (do móvel) através de mais passadas da plaina do meio para os extremos. Consegui fazer isso com a primeira plaina de madeira no último fundo que fiz. Se o fundo da plaina ganhar uma convexidade na longitudinal, pretendo ganhar em cada passada uma concavidade na longitudinal.

Participe, deixe um comentário:

Nome
Email
Comentário